terça-feira, dezembro 23, 2008

Bom Natal para todos


.

(?)
.
.
As crianças viravam as folhas
dos dias enevoados
e da página do Natal
nasciam momentos prateados
.
da infância. Intérmina, a mãe
fazia o bolo unido e quente
da noite na boca das crianças
acordadas de repente.
.
Torres e ovelhas de barro
que do armário saíam
para formar a cidade
onde o menino nascia.
.
Menino pronunciado
como uma palavra vagarosa
que terminava numa cruz
e começava numa rosa.
.
Natal bordado por tias
que teciam com seus dedos
estradas que então havia
para a capital dos brinquedos.
.
E as crianças com tinta invisível
do medo de serem futuro
escreviam seus pedidos
no muro que dava para o impossível,
.
chão de estrelas onde dançavam
a sua louca identidade
de serem no dicionário
da dor futura: saudade.
.
.
Natália Correia

Sem comentários: